23 de maio de 2016

Olavo de Carvalho, astrologia e antipetismo


Olavo de Carvalho, astrologia e antipetismo

Julio Severo
“Todas as mudanças culturais que aconteceram no Brasil nos últimos anos, com as conseqüências políticas que as acompanharam, foram o resultado, em parte direto, em parte indireto, de um PLANO que comecei a aplicar a partir de meados dos anos 80.”
Essas palavras, escritas por Olavo de Carvalho, concedem para si mesmo o Prêmio Nobel por “todas as mudanças culturais e políticas” no Brasil atual, buscando atribuir o antipetismo e o antilulismo predominantes hoje na sociedade brasileira a um suposto plano antipetista e antilulista iniciado por ele em meados da década de 1980. Mas nessa década e mesmo depois, ele estava de fato envolvido em antipetismo e antilulismo?
Num texto da década de 1990, Olavo advertiu seus leitores que tentassem enxergar nele um autor “hidrófobo antipetista.” Ele disse:
“Votei em Lula para presidente e o faria de novo, com prazer, se ele tomasse [certas] providências.”
Mais que isso, Olavo disse: “Lula é um homem decente.”
São declarações pró-Lula feitas muito tempo depois que ele já havia começado a aplicar um suposto plano antipetista e antilulista.
Hoje, ele não cessa de auto-reconhecer que ele é o responsável pelo antipetismo, o antilulismo e até mesmo o impeachment de Dilma Rousseff, embora simule humildade diante de toda a sociedade brasileira que parece “teimar em não reconhecer” o papel principal que ele mesmo deu para si. Olavo disse recentemente:
“Não faço questão nenhuma de que reconheçam o papel central que desempenhei.”
Se não quiserem dar a ele o Oscar do antilulismo, não tem problema: ele próprio dá para si mesmo! Mas na década de 1980, Olavo não era um ativista antipetista e antilulista nem no Brasil nem na China. Antes de escolher se apresentar como filósofo conservador que prediz tendências e eventos políticos, ele era um famoso astrólogo (e fundador e diretor da primeira escola de astrologia do Brasil) que predizia tendências e eventos políticos. Então é muito comum seus seguidores bocas sujas dizerem hoje “Mestre Olavo predisse essa e aquela tendência e evento político.”

Na década de 1980, Olavo de Carvalho era um ativista esotérico, não um ativista antipetista e antilulista

Na década de 1980, Olavo estava seguindo o “conservadorismo” da Filosofia Tradicionalista ou Perene de René Guénon, um feiticeiro islâmico que costumava predizer tendências e eventos políticos. A primeira tradução para o português de um livro do Guénon foi feita pelo Olavo.
Quando iniciou seu suposto plano antipetista e antilulista, Olavo já estava totalmente mergulhado no esoterismo da astrologia e feitiçaria islâmica. Pode alguma coisa boa sair disso?
Na década de 1980, eu era (e continuo) antipetista roxo, e as igrejas pentecostais que frequentei naquele tempo eram antipetistas roxas. Mesmo antes daquela época (no final da década de 1970 e início da década de 1980), programas de TV de Pat Robertson e Jimmy Swaggart, de vastas audiências no Brasil, estimulavam o público contra o socialismo.
A TFP católica daquele tempo era também antipetista roxa. Nunca ouvi falar do Olavo na época, e se ouvi, logo me esqueci, pois como cristão o PT, a astrologia e declarações elogiando “Lula como um homem decente” em nada me interessavam. Se eu visse um astrólogo elogiando ou atacando Lula, isso não teria a mínima importância para mim.
Mesmo assim, insistentemente hoje Olavo afirma prever tudo e que desde 30 anos atrás, ele previu o mal de Lula e do PT contra o Brasil e que ele já havia lançado um plano antilulista em 1985. E insiste em outras previsões “políticas.”
Andam dizendo, entre católicos, espíritas, esotéricos e até evangélicos: “Ele é um profeta!”
Não tenho absolutamente nada contra espíritas e esotéricos que considerem Olavo um profeta. Eles sabem com quem se identificam. Mas até evangélicos?
Alguns calvinistas cessacionistas, que não acreditam em dom de profecia para hoje, creem na capacidade “política” do Olavo prever.

Olavo de Carvalho é um “verdadeiro profeta”?

Até um famoso pastor da Assembleia de Deus não teve o mínimo resguardo bíblico de chamar Olavo de “verdadeiro profeta” no Congresso Nacional. Será a mancada assembleiana do século XXI. Ele superou José que estava entre magos e astrólogos no Egito, mas nunca os chamou de “profetas” por suas “previsões” políticas. Ele superou Daniel que estava entre magos e astrólogos na Babilônia, mas nunca os chamou de “profetas” por suas “previsões” políticas.
Com Olavo, previsões (altamente desconexas, nebulosas, contraditórias e confusas) viraram consenso e ele é poupado por apologetas e cessacionistas, pois aparentemente o cessacionismo não se aplica a revelações vindas da astrologia, mas só ataca revelações vindas do Espírito. Se esse for o caso, Olavo está isento, pois o que ele possui não vem de experiências com o Espírito Santo, mas de uma pesada e vasta experiência ocultista, que envolve diretamente “previsões” políticas de natureza astrológica. Daí o motivo de ele estar sempre dizendo: previ, prevejo e — é claro — continuará prevendo muito no futuro.
O “dom” de revelação da astrologia, que já nos tempos da Bíblia andava com a política, se tornou uma ferramenta fantasticamente embutida em sua “filosofia” política, que envolve uma estranha paixão revisionista pró-Inquisição, que torturava e matava judeus e evangélicos pelo “delito” de opinião religiosa diferente. Com Olavo ou com os antigos astrólogos do Egito e da Babilônia, política e astrologia são inseparáveis.
Eu achava que os evangélicos — inclusive eu — que se aproximaram do Olavo pudessem ajudá-lo a sair das trevas e ir para a luz. Contudo, ninguém — nem eu — pôde, mas quase todos — excluindo a mim — se tornaram “religiosamente” seduzidos, hipnotizados e liderados por ele, em vez de o liderarem para o Espírito. Os poderes ocultos da astrologia são maiores do que o poder do Espírito, ou esses evangélicos não são convertidos?

O que se deve fazer com premonições e predições?

Mesmo que uma premonição ou predição demoníaca seja aparentemente correta, a obrigação do cristão é repreender e expulsar o demônio da vítima que faz premonições:
“E aconteceu que, indo nós para o lugar de oração, nos saiu ao encontro uma jovem escrava que estava tomada por um espírito que a usava para prognosticar eventos futuros. Dessa forma, ela arrecadava muito dinheiro para seus senhores, por meio de adivinhações. Seguindo a Paulo e a nós, vinha essa moça gritando diante de todos: ‘Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação!’ E ela insistiu em agir assim por vários dias. Finalmente, Paulo irritou-se com aquela atitude e dirigindo-se ao espírito o repreendeu, exclamando: ‘Ordeno a ti em Nome de Jesus Cristo, retira-te dela!’ E ele, naquele mesmo instante, saiu.’” (Atos 16:16-18 KJA)
Vasculhar escombros e entulhos de premonições e predições em busca de “pepitas de ouro” de conservadorismo ou antimarxismo não é um trabalho saudável. O Apóstolo Paulo, ao lidar com homens cultos que haviam saído do ocultismo, só tinha uma orientação: Eles deveriam queimar publicamente seus livros satânicos e dar testemunho público de como o poder de Deus foi maior e transformador em suas vidas.
“Muitos dos que creram, assim que chegavam, começavam a confessar e a declarar em público suas más obras praticadas.  Da mesma forma, muitos dos que haviam se dedicado ao ocultismo, reunindo seus livros de magia, os queimaram diante de toda a comunidade reunida. Calculados os seus preços, chegou-se à estimativa de que o valor total equivalia a cinquenta mil moedas de prata.  E assim, a Palavra do Senhor era grandemente propagada e prevalecia poderosamente.” (Atos 19:18-20 KJA)
Necessariamente, a rejeição ao ocultismo vem depois de uma conversão genuína.
Por mais valiosos que sejam, temos de queimar os livros e escritos de ocultistas. Ou somos mais sábios que Paulo?
Não podemos confiar na inteligência humana, que é alimentada por livros. Essa inteligência é vista como tolice diante de Deus, conforme disse Paulo:
“Onde está o filósofo? Onde está o acadêmico? Onde está o debatedor desta era? Deus não transformou em loucura a sabedoria deste mundo?” (1 Coríntios 1:20 HCSB)
Portanto, a sabedoria ou filosofia do homem nada mais é que loucura aos olhos de Deus, ainda mais quando carregada de premonições, predições e astrologia. A filosofia humana, energizada pelo esoterismo, gera culto à personalidade.
A inteligência espiritual, que é alimentada exclusivamente pela Bíblia, gera o temor de Deus, que é o princípio da sabedoria verdadeira. Gera culto a Deus.

O que é astrologia?

O que a Bíblia tem a dizer sobre predições, premonições e astrologia? De acordo com Daniel 1:20; 2:2, 10, 27, o astrólogo (cuja palavra original em hebraico é “ashshaph” e significa “encantador”) é alguém que professa ver, com a ajuda de “deuses,” acontecimentos futuros através da aparência das estrelas. Essa prática era comum na Babilônia, onde o profeta Daniel estava. A astrologia é proibida por Deus. Confira Deuteronômio 4:19; 18:10 e Isaías 47:13.
Na antiga Babilônia, astrologia (ocultismo) andava de mãos dadas com a política. Os “deuses” da astrologia são na verdade demônios que buscam influenciar assuntos e destinos políticos.
O Michaelis-Moderno Dicionário de Língua Portuguesa diz que “astrólogo” é sinônimo de “encantador, feiticeiro e mago.” Outros dicionários também ligam astrólogo com encantador.
Encantador é alguém que encanta, seduz, fascina, cativa, maravilha e enfeitiça. Pela sua experiência espiritual, Olavo tem vasto conhecimento e prática dessas técnicas, pois fazem parte da função do astrólogo.
Se um simples astrólogo domina algumas técnicas ocultistas de sedução e engano, Olavo domina todas essas técnicas. Muito mais do que um mero astrólogo, Olavo foi chefe de astrólogos. Veja este vídeo: https://youtu.be/-XDFh_eLgPI

Encantamento

Existe farto material, escrito pelo próprio Olavo, que mostra suas afinidades espirituais. O mistério é como evangélicos têm sucumbido a esse tipo de encantamento. Há casos até de pastores que se converteram para o peculiar catolicismo pró-Inquisição dele depois de se tornarem alunos do curso dele. Isso de fato é encantamento.
Não importa como ou quanto Olavo xingue ou ofenda seus adeptos evangélicos cegos, eles adoram sua cegueira.
Chamar o Olavo, nessas condições, de “verdadeiro profeta” é igualar o papel de um encantador ou astrólogo (que “vê” o futuro por meios desaprovados por Deus) ao papel de um homem de Deus que recebe revelações de Deus. É uma comparação incompatível. É puro efeito de encantamento.
E a Bíblia é bem clara em sua advertência de que a filosofia também tem seus próprios encantamentos e seduções, que devemos evitar:
“Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” (Colossenses 2:8 NVI)
“Certifique-se de que nenhum predador transforme você em vítima por meio de alguma filosofia enganadora e ilusão vazia com base em tradições fabricadas por meros seres humanos mortais. A fonte dessa filosofia e ilusão está nos princípios que se originam neste mundo e não no Ungido (por isso, não deixe as conversas deles capturarem você).” (Colossenses 2:8 The Voice Bible)
No passado, Paulo ajudou na libertação de uma jovem escrava de espíritos de premonição. Hoje, quem ajudará um velho escravo dos mesmos espíritos? Quem ajudará os que estão se deixando encantar por esses espíritos?

Contradições e incoerências

Se o Olavo de fato previu os perigos de Lula e do PT em meados da década de 1980, ele agiu como um astrólogo contraditório. Se na época ele fosse filósofo, seria mais contraditório ainda — tão contraditório quanto um famoso esotérico antimarxista da década de 1930.
Depois de iniciar seu plano antipetista e antilulista na década de 1980, Olavo votou em Lula para presidente e disse que “Lula é um homem decente.” Hoje, posa de deus do antipetismo e antilulismo e faz questão de não deixar ninguém se esquecer de que ele é merecedor do Prêmio Nobel Anti-PT e Anti-Lula. E faz questão igual de lembrar a todos de que desde a década de 1980 ele já previu tudo sobre o Brasil.
De forma semelhante, depois de passar os anos recentes numa obsessiva propaganda anti-Rússia e anti-Putin, agora Olavo posa de apoiador de Donald Trump, o candidato presidencial mais pró-Rússia e pró-Putin da história recente dos EUA.
Mais contraditório (ou oportunista) que isso, impossível. Mas totalmente natural no que se refere às confusões que o esoterismo normalmente provoca na mente de seus adeptos.
Leitura recomendada sobre Olavo de Carvalho:

22 de maio de 2016

Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho na arena das vaidades e baixarias


Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho na arena das vaidades e baixarias

Julio Severo
Numa verdadeira briga de galo, Reinaldo Azevedo bicou Olavo de Carvalho em seu texto no portal da revista Veja “Decadente e derrotado, Olavo de Carvalho mobiliza os feios, sujos e malvados. Ou: O ‘Filósofo Sujo,’” aparentemente em resposta às habituais baixarias contra si no Facebook do Olavo.
Olavo de Carvalho e Reinaldo Azevedo
Os dois têm defeitos sérios. Um, apoia o “casamento” gay. O outro, desculpa vergonhosamente a Inquisição, que torturava e matava judeus e protestantes por delito de opinião.
No passado, os dois se elogiavam e se acariciavam. Hoje, se mordem de forma suja e escandalosa.
Não defendo nenhum dos dois. Nem dá.
Alguns estão tentando vender a ideia de que as críticas do Reinaldo ao Olavo são ataques contra toda a Direita. Nem isso nem vice-versa. Se fosse assim, quando Olavo me difamou e me xingou por eu discordar dele acerca da Inquisição, isso então deveria ser considerado como um ataque contra toda a Direita?
Todos deveriam ficar neutros e não se meter na briga dos dois, que precisam de muita oração, e precisam também diariamente lavar a boca com sabão.
Mesmo discordando do Reinaldo, o que ele disse sobre o Olavo não é nem 10 por cento do que o Olavo já disse contra mim, com abundância de palavrões, desde 2013 quando discordei do revisionismo histórico dele acerca da Inquisição.
Por isso, aos que estão chorando como bebês desmamados por causa do tratamento que o colunista da revista Veja vem dando ao Olavo, uma recordação: Isso é apenas efeito bumerangue tardio. Olavo usa diariamente, com palavrões até contra gente conservadora, o mesmo tratamento que Reinaldo lhe dispensou. Fazer o Olavo pelo menos uma vez na vida provar da própria sujeira não vai matá-lo.
Nesse jogo de vaidades, os dois se castigam reciprocamente.
Apesar de tudo, fico imaginando se o Olavo cuidaria melhor da limpeza de sua boca se ele começasse a receber de todo mundo as mesmas baixarias e palavrões que ele lhes dá com a maior naturalidade — mas para si recebe todo ofendido e magoado, como se fosse vítima da maior injustiça do universo. Quem fala baixarias e palavrões todos os dias deve estranhar quando o bumerangue da boca porca volta contra si mesmo?
O mesmo vale para o Reinaldo.
No embate entre essas duas bocas nada limpas, quem se parece com quem? Se eu me oponho às baixarias do Olavo, seus seguidores me acusam de ser adepto do Reinaldo. Se me oponho ao Reinaldo, sou olavete?
Em 2013, me opus publicamente às posturas pró-“casamento” gay do Reinaldo, neste artigo: “Marco Feliciano: mais perto da presidência do Brasil?
Em vários artigos, também me opus às posturas do Olavo sobre sua obsessão de fazer revisionismo histórico da Inquisição e sua hipocrisia recente de apoiar o candidato presidencial americano Donald Trump, que é abertamente pró-Putin. Normalmente, o Olavo acusa todas as pessoas pró-Putin de “agentes da KGB,” mas está demonstrando confusão mental ao apoiar Trump sem tais acusações típicas de neocon. Confira meu artigo: “Trump é um agente da KGB?
Já que não posso me parecer com eles, com quem eles se parecem?
Reinaldo se diz católico. Olavo também.
Reinaldo defende a Inquisição católica. Olavo também e muito mais.
Reinaldo defende o PSDB. Em toda disputa eleitoral presidencial, o Olavo só tem apoiado o PSDB.
Reinaldo fala alguns palavrões. Olavo fala muito mais!
Eu não possuo nenhuma dessas várias semelhanças entre os dois.
Dizer pois que me pareço com o Reinaldo é a mesma coisa que dizer que me pareço com o Olavo. É uma tremenda injustiça contra meu conservadorismo que não pode aceitar o “casamento” gay nem o revisionismo da Inquisição nem a boca porca dos dois!
Enquanto ambos usam a boca para sujeiras mútuas, eu uso a minha boca para orações proféticas pelos dois.
Leitura recomendada:
Leitura recomendada sobre Olavo de Carvalho:

21 de maio de 2016

Ana Paula Valadão é atacada por se opor à ideologia de gênero


Ana Paula Valadão é atacada por se opor à ideologia de gênero

Jarbas Aragão
Comentário de Julio Severo: A reportagem a seguir, do portal evangélico GospelPrime, informa sobre os ataques que a cantora Ana Paula Valadão está sofrendo “por expor versículos bíblicos e se manifestar abertamente contra a homoafetividade.” Ora, “homoafetividade,” termo ideológico usado pelo ativismo homossexual para suavizar suas práticas, é incompatível para o vocabulário cristão, que deve refletir os valores da Bíblia, não da Esquerda. Usar “homoafetividade” é cair no jogo da Esquerda. Para entender o que é homoafetividade a partir de uma perspectiva realista, consulte meu artigo: “Sou homoafetivo.” Atualizei algumas informações do artigo do GospelPrime, mas deixei “homoafetividade” para o leitor estar ciente desse grave problema. Quanto ao resto, parabéns a Ana Paula Valadão por seu posicionamento correto e bíblico!
Ana Paula Valadão
Em pouco mais de 24 horas, a postagem da cantora e pastora Ana Paula Valadão pedindo o boicote à rede de lojas C&A teve mais de 500 mil “reações” – opções ao botão curtir do Facebook.
Ela postou uma foto com uma expressão de contrariedade, acompanhada de um texto onde expressava sua #santaindignação com a imposição da ideologia de gênero na campanha das lojas para o dia dos namorados. Somente no Facebook ela possui mais de três milhões e meio de seguidores, número que ultrapassa o de atores da Globo e ídolos do esporte.
O assunto logo saiu das redes sociais. Foi matéria de vários órgãos de imprensa, incluindo Veja, e Folha de São Paulo. Em pouco tempo estava na capa da maioria dos portais do país.
Horas depois da publicação de Ana Paula, a C&A publicou uma nota de esclarecimento na seção de comentários de sua página no Facebook. “A C&A reforça que o respeito à diversidade, inclusive de opiniões, sempre foi um dos princípios da marca”, afirmou a rede de lojas.
Como é comum no Brasil, a seção de comentários na página oficial da pastora virou um fórum de debates. Não faltaram ofensas a ela e todos os líderes evangélicos. Alguns fãs da cantora decidiram argumentar e defendê-la. Foram mais de 500 mil comentários, possivelmente um novo recorde para a internet brasileira.
A resposta oficial de Valadão veio com uma nova postagem. A mesma imagem do dia anterior, mas sobreposta com a passagem bíblica de 2 Timóteo 4:3-5. Nova polêmica, com mais de 25 mil comentários. Uma verdadeira campanha de ódio surgiu contra a cantora, acusada de fundamentalismo por expor versículos bíblicos e se manifestar abertamente contra a homoafetividade.
Postagens antigas de Ana Paula começaram a ser vítimas de um “vomitaço”, uma tática virtual que visa demonstrar o descontentamento diante de determinado conteúdo. O que está acontecendo com Ana Paula é só mais uma demonstração que essa guerra ideológica nas mídias sócias não deve acabar e só tende a se acirrar no futuro.
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada sobre Ana Paula Valadão:
Leitura recomendada sobre ideologia de gênero:

20 de maio de 2016

Guarda de segurança é presa por remover homem de banheiro feminino


Guarda de segurança é presa por remover homem de banheiro feminino

Peter Hasson
Uma guarda de segurança que trabalhava num supermercado em Washington, D.C, capital dos EUA, foi presa na segunda-feira de tarde por escoltar um homem para fora do banheiro feminino depois que ele se recusou a sair porque ele se identificou como mulher.
O cliente — um jovem negro que se identificou como Ebony Belcher para os meios de comunicações locais — teria passado pela guarda de segurança na sua ida ao banheiro feminino no supermercado Giant na capital dos EUA.
Depois de ver Belcher entrar no banheiro feminino, a guarda de segurança o seguiu e ordenou que o homem saísse. Quando ele recusou, a guarda de segurança teve de escoltá-lo para fora do banheiro feminino.
Ao deixar o supermercado, Belcher telefonou para a polícia pedindo que prendessem a guarda. A polícia da capital dos EUA confirmou para o canal de televisão NBC4 Washington que a mulher foi presa e acusada de agressão simples. A polícia da capital dos EUA disse ao canal de TV que está tratando o incidente como “suspeito crime de ódio.”
Belcher disse à NBC4 que a guarda de segurança lhe disse: “Você homem não pode ficar entrando aqui e usando nosso banheiro feminino. Ainda não aprovaram a lei.”
Ele disse ao canal de TV WJLA que acredita que “a mulher não tinha razão para colocar as mãos dela em mim,” acrescentando que ele ficou emocionalmente traumatizado com o incidente. “Isso me deixou machucado. Foi horrível… Estou transtornado,” ele disse. “Não deveriam discriminar as pessoas com base em sua identidade de gênero.”
Pelo menos uma mulher ficou agradecida com as ações da guarda de segurança. A cliente Deana Chisholm disse à TV WJLA: “Se você nasceu homem, vá para o banheiro masculino. Se você tem um pênis, vá para o banheiro masculino. Se você nasceu mulher, vá para o banheiro feminino. Ponto final!”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do DailyCaller: Security Guard Arrested For Removing Man From Women’s Bathroom
Leitura recomendada:

19 de maio de 2016

Cristo no Posto de Controle 2016


Cristo no Posto de Controle 2016

Matt Ward
Aproximadamente 600 pastores e líderes cristãos de uma variedade de nações se encontraram recentemente em Belém para a Conferência Cristo no Posto de Controle 2016, uma reunião bienal que, cada vez mais, objetiva deslegitimar Israel. O tema desta conferência de 2016 foi “O Evangelho em Face do Extremismo Religioso”.
Nessa conferência, quando se fala sobre “extremismo”, os participantes não estão se referindo ao extremismo islâmico que segue desenfreado por todo o Oriente Médio, extremismo do qual até mesmo John Kerry disse recentemente ser culpado de genocídio. Quando eles usam a palavra “extremismo” nessa conferência, é em referência ao Judaísmo e ao Estado de Israel. Aos olhos de muitos que participam da conferência, pelo simples fato de sua existência o Estado Judeu já é “extremista”.
A anfitriã é a Faculdade de Teologia de Belém*, uma instituição envolvida na narrativa pró-palestina, e no sistema de crença totalmente não bíblico da Teologia da Substituição. Essa teologia tem sido usada há dois mil anos para difamar os judeus e, mais recentemente, o Estado de Israel.
O programa da conferência revela segmentos inteiros concentrados em tópicos como “O Desafio do Sionismo Cristão”. Parece estranho que uma conferência que aborda questões de “extremismo” também aborde questões sobre o “Sionismo Cristão”, a menos que, logicamente, o objetivo seja enfraquecer o apoio cristão a Israel e, fazendo isso, sutilmente (e não tão sutilmente) rotulá-lo como uma crença extremista em si mesma. Incluir um segmento como este em uma conferência como essa é semelhante não somente a demonizar Israel, mas também os cristãos que defendem Israel.
Dentre outros palestrantes, Munther Isaac, um dos organizadores da conferência, apresentou um trabalho intitulado “O Sionismo Cristão Como Teologia Imperial”. Hank Hanegraaff, o famoso “Homem da Resposta Bíblica” (do Instituto Cristão de Pesquisas nos EUA), também apresentou um trabalho, com o título “Uma Resposta do Evangelho ao Sionismo Cristão”.
A constante argumentação da Conferência Cristo no Posto de Controle de que o Sionismo Cristão é errado e que os cristãos que amam e apoiam Israel estão enganados, na melhor das hipóteses, e são execráveis, na pior, precisa ser desafiada. Muitas das afirmações escondidas no âmago profundo da teologia da Conferência Cristo no Posto de Controle 2016 me incomodam. A teologia e as crenças encontradas em seu Manifesto são, por exemplo:
• Qualquer reivindicação exclusiva à terra da Bíblia em nome de Deus não está de acordo com o ensinamento das Escrituras.
• A afiliação étnica não garante os benefícios da Aliança Abraâmica.
• Para os cristãos palestinos, a ocupação é a questão central do conflito.
• O Reino de Deus chegou. Os evangélicos devem retomar o papel profético, trazendo paz, justiça e reconciliação à Palestina e a Israel.
Eu defendo Israel porque Deus defende Israel. Eu amo Israel porque Deus ama Israel, e me diz diretamente para amar Israel também (Gênesis 12.3). A despeito de seus maiores esforços na Conferência Cristo no Posto de Controle 2016, Israel não vai desaparecer. A própria Bíblia é clara a respeito deste ponto.
Várias profecias do Antigo e do Novo Testamento na Bíblia se referem ao moderno Estado de Israel. Um dos temas proféticos mais consistentes na Bíblia é que, no fim dos tempos, Israel estará novamente de volta à sua terra, reunido, vindo das nações do mundo. Esta será uma experiência única, altamente distinta de retornos anteriores de Israel para sua terra histórica.
Esse retorno ocorrerá nos “últimos dias”. Nós estamos nesses “últimos dias” hoje, embora ninguém da Conferência Cristo no Posto de Controle 2016 reconheceria isto. A Bíblia também é clara quando afirma que, quando Israel for trazido de volta para a sua terra nos tempos finais, permanecerá naquela terra para sempre.
Jeremias 31.38-40 afirma:
“Estão chegando os dias, declara o Senhor, em que esta cidade será reconstruída para o Senhor, desde a torre de Hananeel até a porta da Esquina. A corda de medir será estendida diretamente até a colina de Garebe, indo na direção de Goa. Todo o vale, onde cadáveres e cinzas são jogados, e todos os terraços que dão para o vale do Cedrom a leste, até a esquina da porta dos Cavalos, serão consagrados ao Senhor. A cidade nunca mais será arrasada ou destruída” (NVI).
“A cidade nunca mais será arrasada ou destruída”. Esta profecia cumprida pode somente se referir ao moderno Estado de Israel. Ela não pode se referir ao primeiro retorno dos judeus no tempo de Esdras e de Neemias, uma vez que esse retorno resultou na Diáspora no ano 70 d.C.
Depois de Esdras e Neemias, a cidade foi novamente arrasada e destruída. No ano 70 d.C., a Décima Legião de Tito esmagou Israel, espalhou o povo judeu pelos quatro cantos do mundo, arrasando-o e destruindo-o. Isto significa que somente o moderno Estado de Israel pode ser o cumprimento direto desta profecia-chave do Antigo Testamento.
Jeremias também nos fala com bastante simplicidade que, quando Israel voltar em cumprimento a esta profecia, ficará ali para sempre. O Irã ou o ISIS não mudarão este fato. Cristo no Posto de Controle certamente não mudará este fato. Israel não vai será removido para lugar algum.
Isaías 11.11-12 nos diz:
“Naquele dia o Senhor estenderá o braço pela segunda vez para reivindicar o remanescente do seu povo que for deixado na Assíria, no Egito, em Patros, na Etiópia, em Elão, em Sinear, em Hamate e nas ilhas do mar. Ele erguerá uma bandeira para as nações a fim de reunir os exilados de Israel; ajuntará o povo disperso de Judá desde os quatro cantos da terra”.
Novamente, assim como em Jeremias, esta referência só pode se referir ao moderno Estado de Israel, não ao retorno sob a liderança de Esdras e Neemias, porque Isaías nos diz que o Senhor ajuntará Seu remanescente uma segunda vez. Na primeira vez, Israel foi ajuntado sob a liderança de Esdras e Neemias. Esta só pode ser uma referência a 14 de maio de 1948, quando Israel tornou-se novamente uma nação, depois da Diáspora (Dispersão); foi ajuntado pela segunda vez.
Isaías também nos dá aqui uma outra importante informação. Ele nos diz que o reajuntamento será também desde as “ilhas do mar” e “dos quatro cantos da terra”. O primeiro ajuntamento, sob a liderança de Esdras e Neemias, foi do cativeiro de Babilônia, não de todas as nações da terra.
A única vez que Israel foi reunido desde “as ilhas do mar” e dos “quatro cantos da terra” foi em 1948, quando o povo judeu voltou da Diáspora mundial.
Então, por que Cristo no Posto de Controle prega que o moderno Estado de Israel não é legítimo? O ensino deles é diretamente contestado pela própria Palavra de Deus, que declara que o reajuntamento de Israel é um ato deliberado e proposital de Deus.
Será que os palestrantes da Conferência Cristo no Posto de Controle sabem disso ou estou, de algum modo, enganado?
A famosa história da Natividade de Lucas, tão negligenciada por estudantes de profecia, assegura-nos do futuro de Israel. Depois que o anjo saúda Maria com a famosa fala: “Alegre-se, agraciada! O Senhor está com você!” (Lucas 1.28, NVI), ele continua explicando que Maria “ficará grávida e dará à luz um filho” (Lucas 1.31, NVI).
O que é geralmente negligenciado é que o anjo continuou e disse a Maria, nos versículos 32-33: “Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi, e ele reinará para sempre sobre o povo de Jacó; seu Reino jamais terá fim”.
Na primeira vinda de Jesus isto não aconteceu. Na verdade, o que ocorreu foi o contrário. Jesus não ocupou o trono de Davi e nunca reinou fisicamente sobre Israel; contudo, esta profecia nos diz que o reino dEle “jamais terá fim”. O reino de Jesus ainda está no futuro, o que significa que a atual existência de Israel não pode ser uma casualidade.
No entanto, de acordo com Cristo no Posto de Controle 2016, quando o Rei voltar, Ele terá que se contentar em governar a partir de uma nação que não é legítima. Isto não é grande coisa para um Rei herdar, não é mesmo?
Ezequiel diz:
“Ezequiel nos dá outras pistas, indicando que o moderno Israel jamais será arrasado novamente. Em Ezequiel, o profeta faz referência ao reajuntamento de Israel numa época em que “O meu servo Davi será rei sobre eles” (Ezequiel 37.24, NVI).
Ezequiel diz:
“Filho do homem, estes ossos são toda a nação de Israel. (...) Trarei vocês de volta à terra de Israel. (...) Porei o meu Espírito em vocês e vocês viverão, e eu os estabelecerei em sua própria terra. Então vocês saberão que eu, o Senhor, falei, e fiz. Palavra do Senhor” (Ezequiel 37.11-12,14, NVI).
“Tirarei os israelitas das nações para onde foram. Vou ajuntá-los de todos os lugares ao redor e trazê-los de volta à sua própria terra. Eu os farei uma única nação na terra. (...) Viverão na terra que dei ao meu servo Jacó, a terra onde os seus antepassados viveram. Eles e os seus filhos e os filhos de seus filhos viverão ali para sempre, e o meu servo Davi será o seu líder para sempre” (Ezequiel 21-22,25, NVI).
Aqui, Ezequiel trata da profecia relacionada a Israel que ainda é futura. Davi ainda não é, novamente, o Príncipe de Israel. Isto deve significar que Deus tem a intenção de que Israel retorne à sua terra, querendo dizer que Ele ainda não terminou Suas ações com o povo judeu.
Israel não é um acaso da história, tampouco o povo judeu roubou a terra de outros, nem é um Estado de apartheid. Israel está exatamente onde está hoje porque Deus assim o quis. Para que esta profecia seja cumprida, o moderno Estado de Israel claramente terá que existir no futuro para que Davi possa reinar novamente.

Oseias

O retorno de Israel à terra e a provisão de Deus para o povo judeu também são coisas claramente definidas na metáfora do Antigo Testamento. Simplesmente não é possível que Deus permita que Israel seja arrasado ou destruído novamente depois de seu reajuntamento final. E aqui estão os motivos:
O profeta Oseias, em seu livro, apresenta um quadro de Deus tratando com Israel em sua rebelião. Oseias nos diz que Deus quer levar Israel de volta à sua antiga terra. Oseias recebe a ordem de Deus para se casar com Gômer e juntos eles têm filhos; mas Gômer, esposa de Oseias, é adúltera e se prostitui com muitos homens. Oseias, portanto, abandona Gômer. No capítulo 3, Oseias recebe a ordem para aceitar Gômer novamente como sua esposa, a despeito de suas infidelidades e falhas óbvias.
Esta é uma figura da fidelidade de Deus em face da infidelidade. Deus escolhe Israel e se casa com Israel, mas Israel comete adultério espiritual com as religiões das nações que o cercam. Portanto, Deus o expulsa, mas somente por um tempo. Mais tarde, Deus recebe Israel de novo como Sua esposa, não porque Israel mereça isto por seus próprios méritos ou sua fidelidade, mas porque Deus é compassivo e porque ama Israel.
Oseias 3.5 explica como, nos tempos do fim, os israelitas retornarão a Israel e buscarão a Deus política e religiosamente como seu Rei.
“Depois disso os israelitas voltarão e buscarão o Senhor, o seu Deus, e Davi, seu rei. Virão tremendo atrás do Senhor e das suas bênçãos, nos últimos dias” (Oseias 3.5, NVI).
Estes dias em que vivemos são os últimos dias de que Oseias falou, e, exatamente como ele profetizou, a nação de Israel foi trazida de volta para sua terra. Deus está, mais uma vez, por causa de Seu amor por Israel, voltando Sua face em favor daquela nação, primeiro, trazendo-o de volta à terra, e depois, fazendo Israel buscar o Senhor nos âmbitos político e religioso. Deus realizará isso em breve por meio da guerra descrita em Ezequiel 38-39, e, finalmente, no próprio período da Tribulação. O palco para esses dois eventos está sendo estabelecido neste exato momento.
“E, assim, todo o Israel será salvo” (Romanos 11.26). Que o começo desse processo está acontecendo em Israel hoje, com o rápido aumento no número de judeus escolhendo Yeshua como Senhor e Salvador, é claro. Isto também indica que o Arrebatamento da Igreja está bem perto, à medida que o tempo dos gentios se aproxima do fim.
Aceitar o ponto de vista dos palestrantes da Conferência Cristo no Posto de Controle 2016 e crer que falta legitimidade a Israel é questionar a integridade das Escrituras e da profecia.
Contudo, muitos palestrantes na Cristo no Posto de Controle denigrem abertamente a profecia bíblica e se recusam a ensiná-la. Eles fazem isso porque a profecia contradiz totalmente a visão de mundo e a mensagem deles. A Bíblia tomada como um todo completo contradiz a mensagem e a visão de mundo deles.
Em última instância, é uma questão de quem você escolhe para crer. Você vai crer nas palavras dos homens ou na Palavra do próprio Deus?
Quanto a mim, vou responder como o grande líder israelita Josué respondeu antes de mim:
“Se, porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir. (...) Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor” (Josué 24.15).
Amém. Que Deus abençoe abundantemente Sua santa herança, Israel. (Matt Ward, www.raptureready.com)
* Em 2013, a missão Portas Abertas trouxe ao Brasil o reverendo Bishara Awad, fundador da Faculdade Bíblica de Belém, promotora da conferência Cristo no Posto de Controle. Ele foi palestrante no Congresso da SEPAL e em diversas igrejas, além de ser entrevistado em programas de rádio e em publicações evangélicas.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada sobre a Conferência Cristo no Posto de Controle:

18 de maio de 2016

Eleição americana: Jesus era um socialista que apoiaria o candidato socialista Bernie


Eleição americana: Jesus era um socialista que apoiaria o candidato socialista Bernie

Produtores do filme “The Young Messiah” (O Jovem Messias) dizem que o capitalismo termina em segundo lugar

Menino Jesus do filme The Young Messiah
(HOLLYWOOD REPORTER) — Jesus foi aparentemente um socialista que apoiaria o candidato socialista Bernie Sanders para presidente dos Estados Unidos.
Pelo menos, essas são as implicações de uma pesquisa de opinião pública feita pelos marqueteiros do DVD “The Young Messiah,” que será lançado em 9 de junho nos EUA, baseado na novela de Anne Rice sobre Jesus como uma criança.
A pesquisa científica do Grupo Barna perguntou aos americanos se o capitalismo ou o socialismo se alinha melhor com os ensinos de Jesus, e o socialismo ganhou 24 por cento em comparação com 14 por cento para o capitalismo, com o restante respondendo “nem um dos dois” ou “não sei.”
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Poll: Jesus a socialist who’d back Bernie
Leitura recomendada:

17 de maio de 2016

Noruega vai permitir que pessoas mudem de sexo simplesmente “marcando no quadradinho,” e crianças até de seis anos de idade poderão mudar de sexo sem nenhum procedimento médico sob uma nova lei


Noruega vai permitir que pessoas mudem de sexo simplesmente “marcando no quadradinho,” e crianças até de seis anos de idade poderão mudar de sexo sem nenhum procedimento médico sob uma nova lei

Julian Robinson
A Noruega vai permitir que pessoas mudem de sexo simplesmente “marcando no quadradinho,” e crianças até de seis anos de idade poderão mudar de sexo sem nenhum procedimento médico sob uma nova lei.
O novo projeto de lei significará o fim de exames psiquiátricos, longos tratamentos hormonais e cirurgias invasivas em esterilizações irreversíveis que têm sido tradição para uma mudança de sexo na Noruega desde a década de 1970.
A lei também permitirá que menores de idade de 6 a 16 anos mudem seu sexo se os pais concordarem. Se um dos pais se opuser, o governo decidirá “no melhor interesse da criança.”
O novo projeto de lei foi louvado por ativistas homossexuais e esquerdistas como uma das leis mais esquerdistas do mundo. Tudo o que as pessoas terão de fazer se quiserem mudar de sexo é notificar o governo e só clicar num site será suficiente para legalizar tudo.
A lei, que os ativistas esperam será votada no Parlamento da Noruega antes do próximo recesso, está enfrentando pouca oposição.
Ainda considerada como uma desordem de personalidade pela Organização Mundial de Saúde, o transgenerismo provoca emoções internacionalmente.
Uma lei da Carolina do Norte nos EUA que requer que indivíduos transgêneros usem o banheiro que corresponde ao sexo de suas certidões de nascimento provocou protestos furiosos, desde o cantor Bruce Springsteen até o banco alemão Deutsche Bank. Provocou também um debate enfurecido entre os candidatos presidenciais republicanos dos EUA Donald Trump [que é a favor de homens homossexuais nos banheiros femininos] e Ted Cruz [que é contra homens homossexuais nos banheiros femininos].
A Argentina é pioneira nesse campo, tendo permitido desde 2012 que pessoas escolham seu próprio sexo legal sem terem passado antes por uma cirurgia de mudança de sexo.
Leitura recomendada:
Leitura recomendada sobre a Noruega: